O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) rejeitou esta quinta-feira o pedido de afastamento da juíza Joana Ferrer Andrade do julgamento que opõe a apresentadora Bárbara Guimarães ao ex-marido e antigo ministro da Cultura António Maria Carrilho, disse à Lusa fonte do TRL.

Segundo a mesma fonte, a decisão da Relação de Lisboa de manter Joana Ferrer Andrade como juíza daquele caso relacionado com alegada violência doméstica foi tomada por maioria (2-1), tendo havido um voto de vencido.

A fonte precisou que os juízes desembargadores do TRL julgaram improcedente os pedidos de afastamento da juíza apresentados por Bárbara Guimarães e pelo Ministério Público, tendo os incidentes sido apreciados em conjunto.

A TVI sabe que Joana Ferrer Andrade não tenciona pedir escusa do caso.

Em causa estavam as considerações feitas por Joana Ferrer na primeira sessão de julgamento, em fevereiro passado, quando a magistrada criticou em audiência a demora de Bárbara Guimarães em apresentar queixa contra Carrilho.

Na sequência disso, tanto o Ministério Público como Bárbara Guimarães pediram o afastamento da juíza, solicitando que fosse outra magistrada a julgar o caso.