Alguns milhares de professores estão a desfilar em direção ao Chiado, em Lisboa, a contestar a política do Governo para a Educação e a pedir a demissão do ministro Nuno Crato.

O desfile, com professores que vieram de vários pontos do país, chama a atenção dos transeuntes pelo colorido das bandeiras sindicais e pelas palavras de ordem que gritam bem alto.

"Crato rua, a escola não é tua", "É preciso, é urgente uma política diferente", "Educação é um direito, sem ela nada feito", são algumas das palavras de ordem proferidas, intervaladas com gritos de "Demissão! Demissão!".

“Viemos aqui para assinalar o Dia Mundial do Professor, mas, depois do que se passou na sexta-feira, temos motivos acrescidos”, disse à Lusa Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof.

Na sexta-feira, vários agrupamentos de escolas receberam orientações do Ministério da Educação para anularem as colocações de professores do concurso da bolsa de contratação.

Estas orientações foram dadas horas antes da divulgação das novas listas, que substituem as anteriores, nas quais foram detetados erros, que levaram à demissão do antigo diretor-geral da Administração Escolar.

O protesto conta com a participação de uma delegação da CGTP, liderada pelo secretário-geral Arménio Carlos.

A deputada do Bloco de Esquerda Catarina Martins também esteve presente no início do protesto.