Notícia atualizada às 19:32

O presidente do sindicato que representa os inspetores da ASAE admitiu voltar aos protestos caso o Governo não crie um estatuto profissional para a classe, uma das principais exigências.

Mais de 100 inspetores da ASAE manifestaram-se esta sexta-feira em Lisboa, entre os ministérios das Finanças e da Economia, tendo no final do protesto os representantes da associação sindical dos funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASF-ASAE) sido recebidos pelo secretário de Estado adjunto e da Economia, Leonardo Mathias.

No final do encontro o presidente do sindicato, Albuquerque do Amaral, disse aos jornalistas que o secretário de Estado frisou que «tem tido todo o empenho« em resolver a questão do estatuto profissional mas que têm sido criados «alguns obstáculos por parte da secretaria de Estado da Administração Pública».

Albuquerque do Amaral adiantou que o secretário de Estado se comprometeu em dar uma resposta aos inspetores da ASAE e que ficou marcada uma reunião para maio.

O sindicalista afirmou que a resposta do secretário de Estado não agrada aos profissionais, salientando: «Se não for dado qualquer passo voltaremos novamente a mostrar a nossa revolta e indignação».

A manifestação desta sexta-feira, em dia de greve para que os profissionais pudessem participar, destinou-se a protestar contra os cortes de salários, falta de efetivos e a inexistência de um estatuto profissional, um documento reclamado desde 2006.

Empunhando bandeiras azuis e brancas da Associação Sindical dos Funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASS-ASAE), os manifestantes buzinavam e gritavam palavras de ordem como «Governo escuta, a ASAE está em luta», «A carreira é um direito, sem estatuto nada feito» ou «Para a banca dão milhões, para a segurança dão tostões».