Cerca de 150 pessoas do Movimento dos Itinerantes Indignados manifestou-se, esta quinta-feira, à porta do Conselho de Ministros, em Lisboa, mostrando a sua indignação por o Governo não estar a seguir uma recomendação aprovada por unanimidade na Assembleia da República.

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) avançou, em declarações à Lusa, que a manifestação prende-se com o facto de o Governo ainda não ter cumprido a recomendação, aprovada por unanimidade no ano passado, com alterações que possam garantir a sustentabilidade do setor.

«Perante uma resolução aprovada por unanimidade, não haver ação do Governo, é muito grave. Neste país só prova que não se consegue governar, porque na maior parte das vezes os partidos não estão de acordo, o que não é agora o caso», sublinhou Luís Paulo Fernandes.

O presidente da APED manifestou tristeza por, após 42 dias de luta consecutiva no ano passado, se ter conseguido que todos os partidos tenham aprovado a criação de um código de atividade económica (CAE) específico para as empresas de diversão itinerante e uma reavaliação do IVA, esta ainda não estar em prática.

Luís Paulo Fernandes adiantou ainda que o grupo de manifestantes será recebido pelas 11:00 na residência oficial do primeiro-ministro, embora desconheça por quem vão ser ouvidos, seguindo depois para o Ministério da Economia, onde vão entregar um dispositivo de SCUT.

De acordo com fonte da PSP, encontravam-se esta manhã nas imediações do Conselho de Ministro cerca de 100 pessoas com viaturas com som, que embora não perturbassem o trânsito, provocavam um grande alarido com os altifalantes.

Luís Paulo Fernandes avançou que sexta-feira a luta continua, com o Movimento dos Itinerantes Indignados a manifestar-se junto ao Ministério das Finanças e à Secretaria de Estado da Cultura.