«O arguido utilizava o Facebook para entrar em contacto com menores, de preferência com idade inferior a 14 anos, convencendo-as a exporem-se sexualmente, acabando por fotografar e filmar as suas partes íntimas”, explicou a mesma fonte, esclarecendo que, na posse das imagens, o suspeito “chantageava que colocava as fotografias a circular na Internet caso não cedessem a encontros».