O ministro da Administração Interna revelou hoje que o número de vítimas mortais em acidentes de viação, de 01 de janeiro a 16 de dezembro deste ano, regista um decréscimo de 11 por cento relativamente ao período homólogo de 2012.

No lançamento de uma nova campanha de prevenção rodoviária, resultante da colaboração entre a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e a Associação Portuguesa de Seguradores, o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, sublinhou que este ano, até à passada segunda-feira, morreram 492 pessoas em consequência de acidentes rodoviários, menos 61 do que no ano passado.

O registo de feridos graves também apresenta uma diminuição de cinco por cento: 1.892 casos, neste ano, contra 1.972, em 2012.

O governante referiu que os dados provisórios até agora coligidos permitem «manter a trajetória sustentada e continuada de diminuição do número vítimas mortais e de feridos graves, em consequência de acidentes de viação, na última década».

Miguel Macedo disse que «o caminho percorrido e as metas atingidas» levam a «continuar a trabalhar com determinação, para prosseguir com o objetivo de menos mortes nas estradas».

A campanha, a lançar a partir de sábado, tem um filme «com imagens muito fortes», como frisou o ministro, desdobrado em quatro partes, que focam quatro preocupações: excesso de velocidade, uso de cinto de segurança, cansaço do condutor e condução sob efeito de álcool.

A cerimónia realizada no auditório do Ministério da Administração Interna foi o derradeiro ato público do secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo D`Ávila.

O membro do Governo, que diferentes órgãos de comunicação social dizem ser um dos três que secretários de Estado que vão deixar de ter funções governativas, não prestou declarações, e Miguel Macedo apenas comentou sobre o assunto: «Lobo D`Ávila está a trabalhar».