Décio estava a vender velas, no local onde caiu a árvore, durante a romaria de Nossa Senhora do Monte, no Funchal, Madeira, esta terça-feira. O vendedor contou à TVI que a procissão estava para começar e que estavam centenas de pessoas no local, que não tiveram tempo para fugir.

Não tivemos sequer tempo para reagir. Ouvimos um barulho e reparámos que era uma árvore a cair. Não tivemos tempo de fugir. Quando a árvore cai, vimos algumas pessoas, entre os galhos, de pé, outras completamente esmagadas e sangue por todo lado. Foi um cenário aterrador”.

Segundo o vendedor de velas, os moradores dizem que a Câmara do Funchal já tinha sido alertada, várias vezes, para o facto da árvore estar seca e em risco de cair.

A árvore que caiu estava amarrada, com um cabo de aço, a outra, ou seja estava a servir de suporte. É ridículo não terem feito nada para evitar isto”.

Décio acha que a árvore não estavam em condições e que, por isso, já devia ter sido cortada ou arrancada.

Por outro lado, o vendedor afirma que as forças de intervenção foram organizadas e agiram de forma muito rápida.

Em declarações à TVI, uma outra vendedora, que estava na barraca a vender os seus produtos, no momento da queda da árvore, contou que ouviu um estrondo, começou a ouvir as pessoas a gritar e decidiu ir à procura dos familiares, para perceber se estavam bem.

Quando fui à procura da minha filha e da minha neta, vi uma mãe com um filho nos braços com a cabeça esmagada. Era uma criança com dois anos e tal e não sei se está vivo. Foi horrível! Não consigo explicar. Não há palavras”.

Além dessa criança, a mulher afirmou que viu também uma adolescente ferida.

Assim como Décio, a vendedora, que mora mesmo na freguesia do Monte, disse que já tinham sido apresentadas queixas, há muitos anos, na Câmara Municipal do Funchal e na Junta de Freguesia sobre as árvores que estavam em risco de cair.

Outra testemunha, que também estava presente na romaria, falou com a TVI e contou que viu a árvore a cair em cima das pessoas.

Estava mesmo virado para a árvore e vi-a cair, com um grande estrondo, por cima das pessoas. Foi terrível ver as pessoas a serem esmagadas, ouvir os gritos e ver as pessoas a correr. Foi aterrador”.

O homem afirmou que as ambulâncias chegaram rapidamente ao local e que, além disso, estavam vários médicos e enfermeiros no local que deram assistência às vítimas.

Até eu fui tentar ajudar uma senhora, que estava perto da mesa do som. Estendi uma lona e a senhora ficou lá. Estava inconsciente. Entretanto as ambulâncias chegaram a fizeram o pronto-socorro rapidamente”.

A testemunha referiu que “a árvore é bastante grande” e que, por isso, atingiu muitas pessoas.

Treze pessoas morreram e 49 ficaram feridas, na sequência da queda de uma árvore de grande porte, durante a romaria de Nossa Senhora do Monte, no Funchal, Madeira, esta terça-feira.