O representante da República para a Região Autónoma da Madeira, Ireneu Barreto, e o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, assistem na quarta-feira, no Porto Santo, ao afundamento da corveta “General Pereira D´Eça” para acolher um recife artificial.

A corveta foi cedida pelo Governo da República à região para a criação do recife, a 30 metros de profundidade, e, de acordo com uma nota do gabinete da presidência do Governo Regional, o processo foi precedido da “realização dos estudos técnicos e ambientais inerentes à concretização deste tipo de operação".

Após o afundamento, os primeiros mergulhos só serão autorizados quando terminarem os trabalhos de estabilização do navio no fundo do oceano e após uma verificação minuciosa da Marinha Portuguesa.

A estabilização da “Corveta Pereira D'Eça” será efetuada recorrendo a dois ferros e duas poitas (âncoras), colocadas à proa e avante, cada uma com sete toneladas.

O local selecionado para a implantação do recife artificial situa-se na zona costeira da ilha do Porto Santo, entre o Porto de Abrigo, a oeste, e o ilhéu de Cima, a leste, em Área Marinha Protegida.

A corveta, construída em 1970, tem 1.438 toneladas e 85 metros de comprimento, e, com recurso a explosivos, em menos de dois minutos, a partir de quarta-feira permanecerá nas águas do Porto Santo para usufruto dos visitantes.

O Scuba Diving, entidade responsável pela gestão deste novo recurso turístico no domínio do mergulho, resulta de uma parceria entre a Associação de Promoção da Madeira e os hotéis com centro de mergulho nas ilhas da Madeira e Porto Santo.