O bispo do Funchal, António Carrilho, disse esta segunda-feira, na missa solene de Nossa Senhora do Monte, que recebeu uma "mensagem de solidariedade e bênção" do papa Francisco dirigida às vítimas dos incêndios que atingiram a Madeira na semana passada.

O bispo explicou que a missiva vem assinada pelo secretário de Estado do Vaticano Pietro Parolin, em nome do papa, na qual se lê que Francisco se manifesta "consternado com a triste notícia dos terríveis incêndios na ilha da Madeira".

A igreja de Nossa Senhora do Monte, padroeira da região, situa-se na freguesia do Monte, nas zonas altas do Funchal, onde cerca de 60 casas foram destruídas pelos incêndios e uma pessoa ficou gravemente ferida.

"O Santo Padre pede que transmita às famílias das vítimas as suas condolências e a sua participação na dor de todos os enlutados, bem como a sua solidariedade e proximidade espiritual junto daqueles que perderam os seus lares", disse o bispo do Funchal, citando a carta do secretário de Estado do Vaticano.

No decurso da homília, António Carrilho destacou as "dolorosas consequências" da vaga de incêndios da última semana, que fizeram três mortos e destruíram mais de duas centenas de casas, sobretudo no concelho do Funchal.

"Não podemos deixar de lembrar os que morreram e manifestar a mais profunda solidariedade a quantos de algum modo sofreram momentos de grande angústia e aflição, em especial os que perderam as suas casas e os seus bens", disse, sublinhando, por outro lado, que "jamais esqueceremos também os gestos de solidariedade e a generosidade de tantos familiares, vizinhos e profissionais, o acolhimento e todo o apoio prestado por tantas instituições".

O bispo do Funchal evidenciou ainda a capacidade de reagir de muitos perante situações inesperadas e tão difíceis, mas sempre com "a força e a coragem de querer começar a olhar em frente, sonhar e projetar o futuro".

A festa de Nossa Senhora do Monte é a maior da Região Autónoma da Madeira, mas este ano as entidades responsáveis pela organização (paróquia, Câmara Municipal do Funchal e Junta de Freguesia) decidiram cancelar a parte do arraial, mantendo apenas as celebrações religiosas, como a missa solene desta manhã, onde tradicionalmente participam membros do Governo Regional e do executivo camarário.

"Temos de agradecer a Nossa Senhora, mas agradecer também a todos aqueles que contribuíram para minorar e debelar esta situação que vivemos e vamos já entrar numa fase de reconstrução", salientou o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, pouco antes do início da celebração litúrgica.

O governante considerou que, neste momento, é muito importante ter um "espírito positivo", realçando que "as coisas vão voltar ao seu lugar o mais rapidamente possível".

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, vincou, por outro lado, que esta não é altura para "achar culpados e acicatar ânimos", mas antes para "todos juntos resolvermos os problemas".

O autarca revelou ainda que o concerto musical previsto para o dia da cidade, que se celebra a 21 de agosto, foi cancelado por solidariedade para com as vítimas do incêndio.