Há sete novos arguidos e quatro testemunhas no caso Maddie McCainn . A Polícia Judiciária vai ouvi-os na última semana de novembro, a pedido das autoridades britânicas. O grupo é considerado suspeito pela Scotland Yard, as não pela PJ.
 
Já foram notificados para comparecer na Diretoria do Sul, em Faro, para serem formalmente constituídos arguidos. No entanto, poderão recusar responder à lista de perguntas preparadas pela Scotland Yard e que recebeu luz verde do Ministério Público. As restantes quatro pessoas vão ser inquiridas na qualidade de testemunhas.
 
Os novos suspeitos encaixam no perfil de provável raptor de Madeleine McCann, traçado pela polícia britânica. Têm alguns pontos em comum: conhecem a praia da Luz; na noite do desaparecimento fizeram chamadas telefónicas consideradas «duvidosas»; alguns são ex-funcionários do Ocean Club.
 
Assim, no total, são já 11 os suspeitos. A Scotland Yard já tinha interrogado, em julho, outros quatro.
 
 A tese continua a ser a de um assalto falhado ao apartamento. Madeleine poderá ter acordado e terá sido raptada para não reconhecer e denunciar os intrusos. Os crimes que poderão ter sido cometidos por qualquer um dos arguidos ou por um alguns deles, em associação.
 
Uma linha de investigação seguida há sete anos pela PJ, e que acabou posta de parte por não terem sido encontrados indícios de assalto.