A Proteção Civil respondeu esta quarta-feira às críticas dos bombeiros e autarcas sobre a deslocação de meios no terreno no incêndio de Mação dizendo que houve movimentação de meios para combater situações a que era obrigatório responder.

Quem está no terreno a combater o fogo dificilmente tem uma perceção global da situação operacional. Havia várias ocorrência ao mesmo tempo e situações a que tínhamos de responder. O comando nacional assumiu a coordenação estratégica pois é isso que está determinado”, disse Patricia Gaspar, da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

A adjunta de operações da ANPC, que respondia às críticas de comandantes dos bombeiros e autarcas sobre a movimentação de meios no terreno em Mação, lembrou que havia duas ocorrências em Mação, uma das quais ficou dominada. A segunda acabou integrada no grande incêndio da Sertã, onde estavam ao início da manhã mais de 1.200 operacionais.

Patrícia Gaspar sublinhou, no entanto, que esta movimentação de meios para situações “a que a Proteção Civil tinha de dar resposta” resultou de uma “decisão integrada”.

Segundo o vice-presidente da Câmara de Mação, António Louro, perto de 20 mil hectares já terão ardido no concelho e "cinco a sete casas" de primeira habitação foram destruídas.

A área ardida corresponde a quase 50% da área total do concelho, sublinhou o autarca, que diz ainda que algumas dezenas de casas de segunda habitação ficaram destruídas, bem como vários anexos, palheiros e equipamentos.

Em declarações hoje de manhã, o autarca afirmou que a sede do concelho de Mação pode ser confrontada "nas próximas horas" com uma das três frentes do fogo que começou no concelho da Sertã, sublinhando que a situação é "extremamente preocupante".

Segundo o autarca, os meios necessários "finalmente chegaram", apesar de considerar que "é evidente" que os reforços chegaram demasiado tarde.

Os meios que tivemos hoje não estiveram cá no domingo quando precisávamos deles, não estiveram cá na segunda quando precisávamos deles, nem estiveram cá na terça-feira quando precisávamos deles", criticou o vice-presidente, considerando que as próximas horas vão ser "longas" e "preocupantes".

As três frentes de incêndio que lavram no concelho de Mação têm todas origem no fogo que começou na Sertã (distrito de Castelo Branco), no domingo.