Um casal foi detido na terça-feira na Luz de Tavira (Algarve) após buscas domiciliárias da GNR, que descobriu uma estufa com plantas de canábis com quase três metros de altura, informou hoje aquela força de segurança.

No interior da habitação foi também encontrada canábis preparada para secagem e embalamento, havendo evidências claras de que o produto se destinava à venda direta ao consumidor, adiantou fonte da GNR à Lusa.

Na residência, em Amaro Gonçalves, além do casal de 34 e 31 anos, residiam os dois filhos menores, de sete e dez anos, disse a fonte, referindo que o facto já comunicado à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Tavira.

A detenção do casal, indiciado por crime de tráfico de droga, foi efetuada depois de a GNR ter constatado nas buscas domiciliárias que havia, num terreno anexo à habitação, uma estufa com cerca de 40 metros quadrados com oito plantas adultas de canábis, entre os 2,20 e 2,80 metros e caules superiores a 12 centímetros de espessura.

Durante a operação policial foram também apreendidas folhas de canábis seca, pronta a consumir e que daria para 2.800 doses individuais, bem como diverso material utilizado na secagem, embalamento, pesagem e cultivo das plantas.

Segundo a GNR, o detido tinha «um grande conhecimento sobre as técnicas de plantação e tratamento» daquela droga, assim como possuía o conhecimento técnico necessário para extrair resina de canábis, tendo produto acondicionado já para esse efeito.

Este é um «processo algo complexo e pouco verificado em Portugal», indicou a polícia, que concluiu que estavam reunidas as condições para se produzir haxixe sobre a forma de bolotas ou placas.

«Pelo nível técnico, profissionalismo, empenho e dimensão da estrutura montada, crê-se que foi desmontado um dos principais pontos de abastecimento daquele tipo de droga no concelho de Tavira», indicou a GNR.

O casal detido é hoje presente ao Tribunal Judicial da comarca de Tavira para conhecer as medidas de coação.