A Câmara de Loures anunciou esta segunda-feira a criação de 559 lugares de estacionamento gratuito e a redução dos horários e tarifas dos parquímetros do concelho. As novas medidas entram em vigor a partir de 1 de junho.

O leque de novidades inclui, também, a oferta de minutos de estacionamento e a isenção de pagamento para pessoas com mobilidade reduzida.

“Trata-se de uma mudança da política de caça à multa para uma mais pedagógica e amiga do utente”, justificou o vereador com o pelouro da Gestão Urbanística, Tiago Matias, que anunciou as medidas com o presidente do conselho de administração da empresa municipal Loures Parque, Nuno Abreu.

As alterações nas regras de estacionamento pago no concelho de Loures entram e vigor a partir do dia 1 de junho e terão lugar nas freguesias de Loures, Sacavém, Prior Velho, Portela e Moscavide, nota a Lusa.

No caso da freguesia de Loures serão criados mais 80 lugares gratuitos, reduzido o horário de pagamento em três zonas, assim como a redução das tarifas.

Em Sacavém, as alterações irão verificar-se apenas ao nível da redução de tarifas, enquanto no Prior Velho serão criados mais 72 lugares gratuitos e reduzido também o custo do estacionamento pago.

Na freguesia da Portela, as alterações incluem a oferta de 61 lugares de estacionamento (junto ao Jardim Almeida Garrett), a redução de horários (87 lugares gratuitos) e a oferta de 30 minutos de parqueamento gratuito na envolvente ao centro comercial e piscinas.

Já em Moscavide, a freguesia mais problemática a nível de estacionamento do concelho, as alterações preveem a oferta de 259 lugares gratuitos, mas em dois sítios diferentes e com horas diferentes.

Contudo, em todas as freguesias os utilizadores com mobilidade reduzida ficarão isentos do pagamento de tarifas.

“Regular o estacionamento em Loures para nós é determinante, mas não podemos trabalhar na perspetiva do custo receita e de dar sempre lucro no final do ano”, afirmou aos jornalistas o presidente da Loures Parque.

Nuno Abreu perspetivou que com estas mudanças a empresa tenha perdas anuais inferiores a 20 mil euros, sublinhando que “não colocam em causa a sustentabilidade da empresa.

“Já o ano passado favorecemos a pedagogia na gestão do serviço de estacionamento, o que levou à redução de 29 % no número de autos e de 45% dos bloqueios e remoções de viaturas e ainda conseguimos um aumento de 5% da utilização regular dos parquímetros”, realçou.

Além de poder adquirir os talões de estacionamento diretamente nas máquinas dos parquímetros, os utilizadores podem optar igualmente por adquirir títulos pré-pagos ou pagar através de uma aplicação móvel para ‘smartphone’.