logotipo tvi24

Lobos matam gado no Minho

Quase 60 ataques em Paredes de Coura e Arcos de Valdevez em 2012

Por: Redacção / CM    |   2013-03-07 01:10

Durante o ano de 2012 foram contabilizados oficialmente 58 animais atacados por lobos nos concelhos de Paredes de Coura e Arcos de Valdevez, disse esta quarta-feira à Lusa o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Os prejuízos atribuídos pelos produtores de gado ao lobo na área daqueles dois concelhos foram confirmados pelo ICNF relativamente a 12 equinos, 17 bovinos, dois caprinos e 27 ovinos, num total de 58 animais, precisou a mesma fonte.

Há registo de mais cerca de 20 animais cuja causa da morte não foi atribuída ao lobo, apesar das suspeitas iniciais.

«Encontram-se liquidados todos os pedidos de indemnização referentes a perda de animais por ataque de lobo, até novembro de 2012, dos quais se dispõem de dados dos proprietários», explicou ainda o ICNF.

O instituto referiu que a análise dos registos de prejuízos desde o ano de 2010 «aponta para um ligeiro aumento global do número de situações reportadas», que se reflete «no montante e no número de cabeças de gado».

Entre 2009 e 2011 o montante anual de indemnizações por ataques de lobo ascendeu a 700 mil.

Moradores de várias freguesias de Arcos de Valdevez e Paredes de Coura estão a promover um abaixo-assinado reclamando o pagamento dos prejuízos causados pelo lobo, queixando-se de mais de uma centena de ataques desde novembro.

No documento, reclamam ainda que seja acionada a «prevenção de danos» ao abrigo dos projetos do Grupo Lobo, da Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa, para a zona do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Preveem nomeadamente a utilização de cães de guarda e apoios para a instalação de cercas elétricas, numa altura em que as populações se queixam de uma maior aproximação do lobo em algumas freguesias daquele território.

Já o ICNF recordou que o lobo-ibérico se encontra em «perigo de extinção» e que existem medidas preventivas «que, se adotadas, reduzem a probabilidade de ataque ao gado», como o acompanhamento dos animais no monte por pastores e a presença de cães.

«Também o aconselhamento feito aos proprietários, pelo ICNF e pelas equipas técnicas no terreno, para proteger melhor os rebanhos, nomeadamente através do recurso a cercas elétricas no caso dos ovinos, que pastam habitualmente em lameiros próximos das aldeias, tem como objetivo evitar este tipo de situações, minimizando as potenciais perdas de gado», esclareceu ainda o instituto.

Partilhar
EM BAIXO: Faia é já considerada a principal atração do Centro de Recuperação do Lobo Ibérico (CRLI), que necessita de donativos para preservar a espécie (José Sena Goulão/Lusa)
Faia é já considerada a principal atração do Centro de Recuperação do Lobo Ibérico (CRLI), que necessita de donativos para preservar a espécie (José Sena Goulão/Lusa)

Doze regiões do país com risco muito alto de radiação UV
De acordo com o IPMA
Ferido grave em festa benfiquista com petardo
Incidente registado no Clube Desportivo de Rio Frio, em Pinhal Novo
Metro de Lisboa encerra linha por «motivos de segurança»
Circulação interrompida na Linha Azul do Metro de Lisboa
EM MANCHETE
Benfica celebra vitória do campeonato
Lima marcou 2 golos (58' e 61') no jogo com o Olhanense. Milhares de adeptos festejam
Jesus: «Quando se trabalha com os melhores é mais fácil»
Ferido grave em festa benfiquista com petardo