A arquiteta italiana Fabiana Pavel considera que a “turistificação” do Bairro Alto, em Lisboa, está a levar os moradores a sentirem-se “quase obrigados a sair”, pelo que defende a criação de medidas camarárias para evitar a desertificação.

Falando a propósito dos resultados obtidos na sua tese de doutoramento em Arquitetura na Universidade de Lisboa, que está agora a partilhar com a população, Fabiana Pavel referiu que este “é um tipo de processo que é difícil de inverter”.

Os residentes “não são obrigados objetivamente, mas a situação é colocada de forma tal que se sentem quase obrigados a sair do bairro. O comércio de proximidade também desaparece porque é mais conveniente, neste momento, ter um bar ou mais um restaurante para ter um lucro imediato, [mas] o perigo é que daqui a uns anos não haja residentes”, afirmou a investigadora, em declarações à agência Lusa.

A viver há 10 anos no Bairro Alto, a arquiteta analisou os vários momentos daquela zona: desde os anos 1970/80, em que o bairro era degradado e se tentou invertê-lo com reabilitação, passando pelos anos 1990/2000, nos quais se verificou um “desinvestimento progressivo na reabilitação por parte da Câmara Municipal”.

Hoje em dia, existe uma “política muito virada para os empreendimentos turísticos” e os que se encontram no Bairro Alto “são essencialmente ‘hostels’ e alojamentos locais”. Fabiana Pavel relaciona este cenário com o aumento dos voos de baixo custo (‘low cost’).

A arquiteta fez um levantamento porta a porta no bairro em 2013 e, nessa altura, verificava-se a existência de um lugar/cama por cada dois residentes.

“Não voltei a fazer o levantamento, mas julgo que já devemos estar um por um”, apontou, falando no aumento exponencial do setor e no “risco de os turistas passarem a vir cá ver os turistas”.

A este fenómeno, acresce o da atividade noturna: “Nos últimos anos, desde 1998 com a Expo e depois com o Euro [campeonato europeu de futebol de 2004], começaram a abrir cada vez mais estabelecimentos noturnos com pouca qualidade e a preços muito económicos e instaurou-se também um tipo de vivência da noite que torna muito difícil a vida dos habitantes”.

Ali permanece um “núcleo de população mais antiga” que luta “a favor do direito […] de se manter no bairro”. Porém, “se não for feita alguma coisa, daqui a uns anos fica-se sem residentes”, alertou.

Fabiana Pavel sustentou, por isso, “mudanças estruturais nas políticas camarárias”, como apostar na reabilitação e limitar a abertura de estabelecimentos turísticos no centro da cidade.

“Está a ser elaborado um plano de pormenor para o Bairro Alto neste momento, já há mais de um ano, vamos ver o que sai desse documento”, adiantou.

Na próxima quinta-feira, às 18:30, Fabiana Pavel apresenta as conclusões da sua tese, defendida em julho passado, num debate sobre “Gentrificação e ‘turistificação’: o caso do Bairro Alto”, que decorre na sede do movimento Habita, na Rua dos Anjos.