Quinze dias depois do encerramento da Avenida da Ribeira das Naus, na Baixa de Lisboa, o trânsito intensificou-se nos percursos alternativos e o uso de autocarros aumento cinco por cento, segundo a Polícia Municipal e a Carris.

Em declarações à Lusa, o director de operações da Carris, José Maia, explicou que o trânsito «tem-se intensificado, fundamentalmente, nas zonas do Marquês de Pombal, Amoreiras, Rato e São Bento», sublinhando que nestas áreas «há uma penalização do transporte colectivo».

«Era importante que fossem tomadas algumas medidas de circulação, no sentido de aí proteger a utilização do transporte público», acrescentou. Por outro lado, as alterações de trânsito contribuíram para que as pessoas abdicassem do transporte individual e aderissem aos transportes públicos, destacou.

«Regista-se um aumento de cinco por cento», que se traduz numa afluência diária de mais de 50 mil pessoas nos autocarros da Carris que circulam no Terreiro do Paço entre as 07h30 e as 21h00.

O 2º comandante da Polícia Municipal, comissário Lopes Rodrigues, confirmou o aumento do trânsito nos percursos alternativos, salientando que a situação não foge da normalidade, uma vez que «há uma boa presença da polícia». Cerca de 30 elementos da Polícia Municipal colaboram diariamente na Baixa lisboeta para a fluidez do trânsito.

No entanto, o director de operações da Carris acrescenta que «devia haver uma extensão da faixa bus na Rua Joaquim António Aguiar até à rotunda do Marquês, uma maior disciplina de estacionamento e, talvez, uma maior colaboração da Polícia Municipal», admitindo ainda que «pode haver a necessidade de a Carris fazer alterações em situações pontuais».