O vereador da Higiene Urbana da Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, pediu aos munícipes «alguma contenção» na colocação de sacos de lixo na rua para que, na reta final da greve dos cantoneiros, a situação não piore.

Os cantoneiros do município de Lisboa estão em greve desde o dia 24 de dezembro. A paralisação, em protesto contra a transferência de competências da câmara para as juntas de freguesia, prolonga-se até 5 de janeiro e afetará, nestes últimos dias, apenas o trabalho em horas extraordinárias.

«É importante que, nas situações em que as pessoas identifiquem que os contentores que a câmara colocou pela cidade já estão cheios, acondicionem o lixo em suas casas e nunca no chão da rua, para tentarmos não piorar a situação», disse à agência Lusa Duarte Cordeiro.

O vereador lembrou que, mesmo que a greve à recolha do lixo só afete as horas extraordinárias, o serviço «continua a funcionar de forma deficitária», estimando, assim, que a situação só esteja normalizada «durante a próxima semana».

«Temo-nos concentrado na recolha de resíduos nas zonas que nos vão sendo identificadas como estando em pior situação e estamos também a recolher os contentores que colocámos na rua. Tivemos ainda a preocupação de limpar as zonas onde se concentraram as festividades de ano novo e de recolher aí o lixo», acrescentou.

Duarte Cordeiro voltou ainda a sublinhar que «a recolha do lixo não transitará para as juntas». No departamento da Higiene Urbana, apenas a lavagem e a varredura das ruas passarão a ser responsabilidade das freguesias.