O Ministério Público acusou um homem de ter esfaqueado mortalmente, a 08 de abril, o filho de seis meses, em Linda-a-Velha, Oeiras, informou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Uma nota publicada na página da internet da PGDL, que cita a acusação do MP “por homicídio qualificado”, refere que o homem agiu por retaliação contra a sua ex-companheira, mãe do bebé, a qual lhe teria dito que queria pôr fim à relação entre ambos, após descobrir que o suspeito mantinha o consumo de álcool.

“A vítima [que nasceu em outubro de 2014] estava nesse dia a cargo do arguido. O arguido executou os factos mantendo o contacto por telefone com a mãe do bebé. Depois de esfaquear a vítima, e deixando-a assim em casa, o arguido abriu os bicos de gás do esquentador e do fogão da casa e saiu desta”, conta a PGDL.


Ainda nesse dia, o homem procurou a sua companheira, encontrou-a e disse-lhe que a “ia matar”.

A PGDL acrescenta que “não se concretizaram nem a explosão, com a adulteração previsível do cadáver, nem a morte da mãe do bebé, face à intervenção rápida da polícia”.

As autoridades encontraram droga na posse do suspeito que se encontra atualmente em prisão preventiva.

O homem está ainda acusado pelo Ministério Público de crimes na forma tentada, nomeadamente explosão e incêndio, profanação de cadáver e homicídio, além de um crime de tráfico de estupefaciente.

A acusação tem data de 15 de setembro e o inquérito foi dirigido pela 4.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal da Comarca de Lisboa Oeste/Oeiras.

O arguido foi detido no dia dos alegados factos, tendo assumido inicialmente às autoridades a autoria do homicídio do filho.

Contudo, quando foi presente a primeiro interrogatório judicial, dois dias depois, disse ao juiz que não se lembrava de nada, como adiantou, na ocasião, a sua advogada oficiosa à agência Lusa.

O bebé ainda foi assistido por peritos de emergência médica do Hospital São Francisco Xavier, de Lisboa, mas acabou por morrer no local.