Um lince nascido em Silves e libertado no centro de Espanha há oito meses regressou a Portugal e está desde terça-feira a norte de Vimioso (Bragança), informou esta sexta-feira o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O lince-ibérico Kentaro foi reintroduzido no seu habitat natural na propriedade El Castañar, no município de Mazarambroz, em Montes de Toledo, no centro de Espanha, no âmbito do projeto LIFE + Iberlince.

O lince foi libertado juntamente com o seu irmão Kahn, o exemplar que no dia 28 de junho entrou em Portugal, após percorrer mais de 1.500 quilómetros, e que se encontra atualmente no concelho de Ourique. Nessa altura, também o lince-ibérico Kentaro era notícia por ter percorrido praticamente a mesma distância, mas em sentido oposto.

No entanto, Kentaro regressou a Portugal na passada terça-feira, encontrando-se agora a norte de Vimioso.

Os dois irmãos “têm sido a prova da grande capacidade de dispersão desta espécie”, destacou, numa nota, o ICNF, acrescentando que, “neste momento, o número de exemplares registados e seguidos em território nacional ascende a 12 espécimes”.

As deslocações e o comportamento dos linces, assim como o uso do território e outros parâmetros relativos à conservação da espécie, são acompanhadas através de informações fornecidas por colares de GPS que transportam consigo.

Através destas informações é possível observar que os irmãos Kahn e Kentaro “viajaram distâncias maiores do que as registadas até agora para a espécie, superando amplamente os 2.500 quilómetros em movimento”.

Na sua viagem, depois de ter sido libertado, em 28 de novembro de 2014, Kentaro esteve na área em que foi solto até janeiro, altura em que se dirigiu até ao rio Tejo, na Barragem de Castrejon, deslocou-se até às proximidades da cidade de Toledo e mais tarde, utilizando o corredor do rio Tejo, entrou nas províncias de Madrid, Cuenca e Guadalajara até às barragens das cabeceiras da bacia deste rio, ponto em que cruzou o rio em direção a norte.

Mais tarde, explorou as províncias do sul de Soria e Zaragoza, voltando novamente para Soria, conseguindo chegar à região de La Rioja, deslocou-se para oeste, pela região de Zamora, tendo entrado em Portugal nesta terça-feira.

Estes dados indicam que o lince-ibérico é capaz de caminhar mais de 25 quilómetros num único dia, “o que confirma que a conexão entre áreas de reintrodução atuais é possível”.

“Notável é também a capacidade de sobrevivência que os dois linces têm demonstrado, os quais têm alternado as suas áreas de dispersão, com diferentes densidades de coelho-bravo, substituindo a sua principal fonte de alimento por outras, alternativas, como roedores e cervídeos”, observou o ICNF.