Os trabalhadores da Soflusa, empresa que faz a ligação fluvial entre o Barreiro e Lisboa, decidiram esta sexta-feira rejeitar as alterações de horários dos auxiliares de terra e ponderam avançar para uma greve.

«Os trabalhadores rejeitaram no plenário de hoje as alterações de horários dos auxiliares de terra. Exigem que seja reposto o contingente adequado de trabalhadores, pois faltam três, e que [estes] sejam admitidos no quadro. Os trabalhadores exigem ainda que se mantenha a rotação de serviços no Barreiro e Lisboa», disse à agência Lusa Frederico Pereira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).


Os trabalhadores realizaram esta tarde um plenário na estação fluvial do Barreiro que levou à paralisação das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa durante algumas horas.

O dirigente sindical explicou que os trabalhadores vão dar conta das suas intenções à empresa e que marcaram um novo plenário para o dia 31 de dezembro.

«Vamos realizar um novo plenário, com paralisação de atividade, para analisar a resposta da empresa. Vamos também avançar já com um pré-aviso de greve para os auxiliares de terra, que será utilizado caso a situação não seja resolvido», explicou.


A Soflusa é uma empresa do grupo Transtejo, que faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa. A Transtejo é responsável pelas restantes ligações entre as duas margens do rio Tejo.