A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) anunciou que já não precisa de mais doações de cabelo, pelo que os portugueses têm vindo a optar por enviar para instituições internacionais, onde os requisitos são mais flexíveis.

O presidente da LPCC, Francisco Cavaleiro Ferreira, apelou para que não sejam feitas mais doações de cabelo, explicando à Lusa que a instituição já não precisa, pelo que as pessoas “não necessitam de o cortar só com o objetivo de doar”.

Por já não serem aceites doações no país, os portugueses estão a enviar o cabelo para instituições internacionais como “Little Princess Trust”, no Reino Unido, e “Locks of Love”, nos Estados Unidos da América, que apoiam crianças que sofrem de cancro e perdem o cabelo devido aos tratamentos.

No entanto, a LPCC vai disponibilizar “cerca de 50 cabeleiras a todos os doentes oncológicos que precisem”, resultado de doações de cabelo e de “um investimento de 20.000 euros” para a criação das mesmas.

Segundo Francisco Cavaleiro Ferreira, a iniciativa de doar cabelo foi “uma ação espontânea e individual de algumas pessoas”, tendo assumido maior impacto depois de uma partilha na internet.

“Alguém divulgou de forma simples que estávamos a receber doações e, rapidamente, começámos a receber com bastante frequência pequenas mechas e tranças” de cabelo, informou o presidente da LPCC, em resposta à agência Lusa.


Neste momento, a instituição pretende “travar as doações e esta iniciativa”, explicando que não precisa de mais cabelo natural, uma vez que as cerca de 50 cabeleiras “são suficientes para colmatar as necessidades dos doentes oncológicos” apoiados pela LPCC e o objetivo é que sejam reutilizadas ao longo do tempo.

Um pouco por todo o país, foram várias as pessoas que contribuíram para esta causa. A LPCC não tem contabilizado o número total de doações, “uma vez que se tratou de uma iniciativa espontânea, não foi contabilizada desde início”, contudo o presidente Francisco Cavaleiro Ferreira considerou que “a generosidade dos portugueses para com a LPCC tem sido inexcedível”.

A trabalhar na área das medicinas de cuidados complementares em Leiria, Ana Mendes, de 46 anos, quis “doar o cabelo no sentido de poder estar a ajudar alguém a sentir-se melhor”, mas não se ficou apenas pela doação.

Em julho de 2014, criou a página de ‘facebook’ “Doar Cabelo” para poder “sensibilizar outras pessoas a fazer o mesmo”, divulgando informação de onde e quais os requisitos para doar e partilhando testemunhos de pessoas que doaram.

Ana Mendes ficou surpreendida com a adesão que a página teve no início, contando que “numa semana mais de mil pessoas aderiram”. Neste momento, a página tem mais de 3.300 seguidores.

“As pessoas sentem-se muito sensibilizadas para esta situação de falta de saúde, que infelizmente é uma realidade cada vez mais generalizada, porque elas já passaram ou alguém muito próximo já passou”, disse à Lusa esta profissional da área da saúde, explicando que para os doentes oncológicos é muito importante a valorização da imagem e a questão da autoestima.

Apesar de Portugal já não estar recetivo a doações de cabelo, a página vai continuar a ajudar as pessoas interessadas em doar, apresentando alternativas internacionais como as instituições “Little Princess Trust”, no Reino Unido, e “Locks of Love”, nos Estados Unidos da América.

De acordo com o presidente da LPCC, as doações de cabelo foram reencaminhadas para uma fábrica própria para produzir cabeleiras naturais.

“O valor de uma peruca de cabelo verdadeiro pode ir, sem ser através da LPCC, até 1.000 euros”, explicou Francisco Cavaleiro Ferreira.


A instituição investiu 20.000 euros para a criação de cerca de 50 cabeleiras ao dispor de todos doentes oncológicos. Neste momento, a LPCC já tem cerca de 20 cabeleiras produzidas e disponíveis, as restantes ficarão prontos antes do final do ano, informou.

A LPCC garante o acesso gratuito a uma cabeleira para os doentes oncológicos que demonstrem não ter capacidade financeira para adquirir.