Dezenas de clientes do Banco Espírito Santo (BES) que investiram em papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) estão concentradas à porta da casa do governador do Banco de Portugal, em Lisboa, a exigir o pagamento do dinheiro investido.

Ao ritmo de buzinas e de bombos, os manifestantes gritam «gatuno» na rua de acesso ao prédio onde Carlos Costa mora, no Parque das Nações, em Lisboa.

«Fraco com os poderosos, implacável com os cidadãos lesados» é acusação dos manifestantes à atuação do governador do Banco de Portugal, expressa através de cartazes.

O protesto à porta de casa do Governador do Banco de Portugal acontece depois de os mesmos manifestantes terem estado em protesto este sábado de manhã junto ao Centro de Congressos de Lisboa (antiga FIL), onde decorreu um encontro de quadros do Banco de Portugal (BdP).

Os manifestantes derrubaram as grades de ferro que isolavam o parque de estacionamento, onde se manifestavam, e os impediam de chegar ao Centro de Congressos de Lisboa, o que levou a PSP a fazer um cordão de segurança e a reforçar a presença no local. 

O protesto estava marcado para as 11:30, mas os manifestantes começaram a chegar mais cedo, empunhando cartazes com frases como «E agora como explico ao meu filho que deve poupar?», «A Presidência da República defende os gatunos do sistema financeiro, quem defende os portugueses?» e «Carlos Costa, amigo de Salgado». 

Pelas 13:00, várias carrinhas da Equipa de Intervenção Rápida da PSP reforçaram o dispositivo de segurança afeto à manifestação, uma chegada que foi assinalada com aplausos pelos manifestantes.