A Procuradoria da Comarca de Leiria anunciou hoje a detenção de três homens e uma mulher, entre os 20 e 25 anos, suspeitos do crime de furto qualificado numa residência do concelho de Leiria, de onde foram levados dois Porsche.

Segundo informação disponibilizada no seu sítio na Internet, a Procuradoria refere que os arguidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial na sexta-feira, “por se considerar fortemente indiciada a prática, em autoria material, de um crime de furto qualificado”.

Dos autos resulta que, no dia 16 de junho de 2018, em conjugação de esforços e intentos e em conformidade com o plano por eles delineado, com o auxílio dos demais, um dos arguidos introduziu-se numa residência situada nos Milagres, Leiria, e do seu interior retirou diversos bens, designadamente televisores, um ‘Ipad’, dois veículos de marca Porsche, modelos 911 e Cayenne, e uma viatura de marca Audi, tudo no valor global superior a 129.875,00 euros”, adianta a Procuradoria.

Um dos arguidos tinha sido contratado para no dia anterior, 15 de junho, “realizar obras na mencionada habitação, tendo assim tido acesso ao interior da mesma”, afirma a mesma fonte, esclarecendo ainda que no mesmo mês a GNR de Leiria recuperou “os três veículos automóveis” e alguns dos objetos furtados pelos arguidos.

Considerando-se a existência de perigo de continuação de atividade criminosa e de perigo de perturbação grave da ordem e tranquilidade públicas, no primeiro interrogatório judicial determinou-se que um arguido aguardasse os trâmites do processo sujeito, cumulativamente, às obrigações decorrentes do termo de identidade e residência (TIR), à obrigação de apresentação às segundas, quartas, sextas-feiras e domingos, no posto da entidade policial mais próximo da sua residência, no horário compreendido entre as 09 e as 19:00, e à proibição de contactar por qualquer meio com os demais arguidos, com exceção da arguida, sua namorada”, acrescenta a Procuradoria.

Quanto aos restantes três arguidos, foi decretado TIR, obrigação de apresentação trissemanal em posto policial e à proibição de contactar por qualquer meio com os demais arguidos, “com exceção da arguida que poderá contactar com o arguido seu namorado”.

A investigação prossegue sob direção do Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, com a coadjuvação da GNR desta cidade.

Entretanto, a GNR informou que executou “quatro mandados de detenção fora de flagrante” delito e realizou “quatro buscas domiciliárias, nas localidades de Aveiro, Pombal e Nazaré”, no âmbito desta investigação.

Fonte da GNR adiantou à Lusa que dois destes arguidos “não têm carta de condução”, situação que já levou à sua condenação em tribunal. Um destes tem também antecedentes criminais pelo crime de roubo.