A GNR anunciou esta segunda-feira ter identificado uma exploração que efetuou uma descarga de efluentes suinícolas na quinta-feira para um afluente do rio Lis, no concelho de Leiria, que desagua na Praia da Vieira, Marinha Grande.

Em comunicado, a GNR informa que na tarde desse dia, após denúncia de populares, militares do Núcleo de Proteção Ambiental do Destacamento Territorial de Leiria deslocaram-se à localidade de Pinheiros, freguesia de Marrazes e Barosa, onde confirmaram a situação.

«[...] Foi detetada exploração suinícola a efetuar descarga de efluentes suinícolas para o solo que, devido ao declive do terreno, se vinham a introduzir na linha de água», refere o comunicado.

A GNR elaborou um auto de notícia por lançamento direto nas águas superficiais de produto líquido potencialmente poluente, que será remetido para os serviços de Coimbra da Agência Portuguesa do Ambiente, para a eventual aplicação de sanção aos infratores.

À agência Lusa, o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Leiria da GNR, Pedro Rosa, informou que a força de segurança «já andava a monitorizar a zona devido às suspeitas de descargas para a linha de água, tendo nesse dia detetado em flagrante delito este crime ambiental».

«Apesar de muitas vezes ser difícil detetar a sua origem, continuamos a fazer esforços no sentido de cessar este problema ambiental», garantiu Pedro Rosa, salientando que, desde o início do ano, a GNR intensificou o patrulhamento à bacia hidrográfica do rio Lis, em período diurno e noturno.

As descargas de efluentes suinícolas ocorrem há várias décadas em Leiria, prevendo-se que o problema seja resolvido com a construção de uma estação de tratamento de efluentes suinícolas (ETES).

No passado dia 02, a Comissão de Ambiente e Defesa da Ribeira dos Milagres alertou para uma nova descarga de efluentes nesta ribeira, o que motivou a deslocação ao local da GNR.

A 28 de junho de 2013, a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, presidiu à assinatura de um protocolo que previa construir a ETES em dois anos, obra no valor de 20 milhões de euros.

A obra foi aprovada como Projeto de Interesse Nacional (PIN) e o protocolo envolve aquele ministério, SIMLIS, empresa responsável pelo Sistema Multimunicipal de Saneamento do Lis, as autarquias da Batalha, Porto de Mós e Leiria, bem como as entidades promotoras ¿ Recilis, Fomentinvest e a Luságua ¿ que ficarão responsáveis pela construção, instalação e exploração da estação.

Em causa está a construção de uma estrutura com capacidade de receber e tratar cerca de 1.500 metros cúbicos de efluentes de suiniculturas de concelhos da região de Leiria.