“Eu vi-o [um acusado] a entregar cerca de 1.500 euros”, declarou a arguida, adiantando que numa situação lhe foi comunicado por quem entregou a verba que “desta vez” não lhe podia dar tanto dinheiro a ela para pagar o furto de viaturas “porque tinha de se pagar ao senhor” inspetor.