Um raro atlas marítimo do século XV, que mostra os descobrimentos feitos pelos portugueses em África, desenhado pelo cartógrafo italiano Grazioso Benincasa (1400-1482), ficou sem comprador no leilão da Christie´s que esta quarta-feira decorreu em Londres.

Contactada pela agência Lusa, fonte do departamento de comunicação da leiloeira indicou que o Atlas Benincasa Portolan, que foi a leilão com uma estimativa de venda entre dois a três milhões de euros, «obteve grande interesse e admiração do público desde o anúncio da venda».

«A exibição do atlas durante o período antes do leilão também captou muitos visitantes e admiradores que acederam ao site da Christie's para ver as imagens online», disse a mesma fonte, acrescentando, que, não obstante o grande interesse, «o atlas não encontrou um comprador».

Desenhado 24 anos antes de Colombo descobrir a América, o atlas ilustrado mostra os limites das costas marítimas então conhecidas.

Ainda segundo a Christie's, sobreviveram até hoje apenas 58 atlas do século XV, sendo este, desenhado à mão em Veneza, em 1468, um dos três que ainda permanecem em mãos de privados.

«Quatro dos mapas mostram os descobrimentos mais recentes dos portugueses, à época, na África ocidental, na sua tentativa de liderar a via marítima em redor daquele continente, para serem os primeiros a alcançar as Índias orientais e ter acesso à lucrativa rota das especiarias», segundo um texto de Julian Wilson, especialista da leiloeira em manuscritos antigos.

O atlas contém sete mapas, que mostram a atual Guiné-Bissau, Guiné e Serra Leoa; a costa ocidental africana, de Cabo Branco a Cabo Roxo, com uma das mais antigas representações conhecidas de Cabo Verde; as Ilhas Canárias e a Mauritânia; Portugal e África ocidental, a norte, pelo estreito de Gibraltar até Agadir, em Marrocos; a Europa ocidental, com Portugal, Espanha e França; e a Grã-Bretanha e a Irlanda.