Notícia atualizada às 13:14

Os três casos de legionella identificados em Castelo Branco e os quatro casos detetados no Barreiro «já estavam sinalizados desde domingo», afirmou a DGS ao TVI24.

«São casos que têm ligação com Vila Franca de Xira e que já estavam sinalizados desde domingo e contabilizados desde domingo», afirmou fonte da DGS.


O repórter da TVI24 no Hospital Amato Lusitano de Castelo Branco (HAL), António Crespo, confirmou que dois doentes infetados são naturais de Vila Franca de Xira e que se encontravam em Castelo Branco para trabalhar na apanha da azeitona.

De acordo com o presidente do Conselho Administração do HAL, Vieira Pires, dois doentes deram entrada no domingo e um terceiro caso deu entrada esta segunda-feira. Os doentes têm entre 50 e 69 anos.

No Hospital do Barreiro, a repórter Conceição Queiróz confirmou que quatro pessoas que trabalham na mesma empresa da Margem Sul, mas foram fazer trabalho em Vila Franca de Xira se encontram internadas desde domingo e que um dos doentes tem sintomas há mais de uma semana.

O delegado de saúde do Barreiro, Mário Durval,também confirmou à agência Lusa que «os doentes trabalham todos numa empresa da zona de Alverca e residem no Barreiro. A população do Barreiro pode estar descansada e fazer a sua vida normal que não há nenhum problema», concluiu.

O que é a legionella?

Este domingo, Francisco George disse que todos os casos de doentes infetados por legionella e que estão nos hospitais de Lisboa têm ligação a Vila Franca de Xira. 

«Todos os casos, mesmo os de fora de Lisboa, têm uma ligação a Vila Franca de Xira, ou trabalham, ou estiveram lá, ou têm relações de qualquer tipo lá», disse Francisco George, sublinhando que «a grande maioria das situações aponta para Vila Franca». 


Recorde-se que todos os doentes que morreram vítimas da legionella, até esta segunta-feira, tinham historial clínico de doenças respiratórias graves.