O delegado de saúde do Alto Tâmega e Barroso determinou o encerramento de uma unidade hoteleira de Chaves na sequência da notificação de um caso de Legionella associado a permanência neste hotel, disse fonte da autoridade de Saúde.

Desde junho, esta é segunda vez que o Hotel Aqua Flaviae fecha devido à presença de Legionella.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autoridade de saúde confirmou o encerramento do hotel, de onde foram retirados esta tarde os hóspedes, que foram reencaminhados para outras unidades da cidade.

A fonte explicou que, na sequência da notificação de um caso de “doença dos legionários” associado a permanência no Hotel Aqua Flaviae, em Chaves, a Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Alto Tâmega e Barroso realizou "o inquérito ambiental no referido Hotel e área circundante, procedendo à colheita de água da respetiva rede para a realização das análises de acordo com as normas em vigor".

Os resultados analíticos emitidos quinta-feira pelo Laboratório Regional de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Norte, identificaram “legionella pneumophila”.

Por esse motivo, o delegado de Saúde do ACES Alto Tâmega e Barroso “desencadeou as medidas consideradas necessárias à minimização do risco, tendo-se procedido ao encerramento do referido hotel”.

As autoridades de Saúde regional e local salientaram que continuarão a acompanhar esta situação.

O presidente da Câmara de Chaves, António Cabeleira, disse ter sido informado esta tarde desta “má notícia” e garantiu que se trata de um “caso circunscrito” à unidade hoteleira e que “a água da rede de pública não apresenta qualquer perigo”.

Em junho, foi também determinado o fecho da unidade na sequência da notificação de um caso “de doença dos legionários associado a permanência no hotel”.

Na altura, a Direção-Geral de Saúde (DGS) explicou que os resultados das análises feitas ao hotel “identificaram Legionella pneumophila” depois de ter sido feita a colheita de água da unidade hoteleira.

O Hotel Aqua Flaviae reabriu a 24 de junho depois de contra-análises realizadas à água indicarem que não existe 'legionella' nas instalações.

Na altura, a unidade informou que iria, dentro de meses, passar por um importante projeto de reabilitação geral, num investimento já aprovado superior a cinco milhões de euros.

O hotel Aqua Flaviae informou que vai antecipar as obras de cinco milhões de euros, já agendadas para novembro, devido ao caso de ‘legionella’ e anunciou reabertura para abril de 2017.