A vistoria técnica ao prédio de Leça do Balio, onde segunda-feira à noite deflagrou um incêndio, ainda não foi realizada por não existirem condições de segurança, disse hoje à Lusa fonte da Câmara Municipal de Matosinhos.

A vistoria que deveria ter acontecido esta quarta-feira não se realizou porque será necessário estabilizar o edifício para os técnicos lá entrarem com segurança, afirmou.

Por esse motivo e por ainda haver materiais em “combustão lenta” no interior da loja/armazém que ficou totalmente destruída com o fogo não há data prevista para a realização da vistoria, acrescentou.

Será feita mal as condições de segurança estejam todas reunidas”, referiu.

Também esta manhã a Polícia Judiciária (PJ) do Porto esteve no local, mas devido às altas temperaturas não conseguiu fazer nada, voltando na quinta-feira, revelou à Lusa fonte desta força policial.

Os mais de 100 moradores que ficaram desalojados não precisaram de ser realojados por terem retaguarda familiar, à exceção de uma idosa em cadeira de rodas que foi acolhida no Centro Social de Leça do Balio devido à sua mobilidade reduzida.

O fogo deflagrou na cave de uma loja/armazém com uma área de cerca de quatro mil metros quadrados e alastrou-se ao rés-do-chão, na segunda-feira à noite, tendo mobilizado mais de 130 bombeiros e 40 viaturas.