[atualizado às 00:52]

As duas moradoras de um dos dois prédios que arderam, na quarta-feira, no Largo da Fontinha, no Porto, tiveram de ser realojadas, disse esta quarta-feira à agência Lusa o chefe de serviço dos Bombeiros Sapadores do Porto.

Uma das moradoras vai ficar em casa de familiares e a outra terá de ser a Proteção Civil a encontrar uma solução para a realojar esta noite, adiantou o chefe de serviço.

Segundo a mesma fonte, o incêndio deflagrou no número 122 do Largo da Fontinha, tendo ardido o primeiro andar e as águas furtadas. «Devido à grande quantidade de água que tivemos de utilizar para apagar o incêndio, o rés-do-chão ficou todo destruído», explicou.

O edifício ao lado, o número 121, também ficou destruído, mas estava desabitado.

«Só a habitação do número 122 é que ficou totalmente destruída e as duas pessoas que ali moravam, na casa dos 50 anos, tiveram de ser realojadas», adiantou.

O alerta de incêndio foi acionado às 21:30 e o incêndio foi dado como extinto cerca das 23:15.

As causas do fogo ainda estão por apurar. «Houve uma grande destruição e foi muito difícil na fase do rescaldo chegarmos a uma conclusão sobre qual seria a origem do incêndio», disse o chefe de serviço dos Sapadores.

No combate ao incêndio, estiveram 12 elementos dos Bombeiros Sapadores do Porto, apoiados por três viaturas.