O antigo presidente da empresa Futurlagos Carlos Albuquerque, exonerado do cargo de gestor público no final de 2011 num processo de reestruturação, distribuiu agora a indemnização de 25 mil euros por cinco instituições da cidade algarvia de Lagos.

«O país e a sociedade portuguesa atravessam momentos particularmente difíceis, pelo que considero que cada um de nós tem a responsabilidade moral, o dever ético e a obrigação cívica de dar o seu contributo independentemente da sua natureza, modo ou forma, de maneira a que os constrangimentos atuais sejam superados», explicou Carlos Albuquerque à Lusa.

O economista, de 41 anos, está atualmente emigrado em Londres (Reino Unido) a trabalhar no setor privado da indústria energética, depois de ter sido presidente do conselho de administração da Futurlagos ¿ Empresa Local para o Desenvolvimento de Lagos durante cinco anos.

Após ter sido exonerado da função de gestor público, no final de 2011, no âmbito de um processo de reestruturação do setor empresarial do município de Lagos que também visava adaptar as empresas municipais a nova legislação, o cargo foi ocupado por um vereador e Carlos Albuquerque foi indemnizado, recebendo o equivalente a um ano de salário, ou seja, 25 mil euros.

Com a indemnização paga na totalidade e a conclusão das eleições autárquicas de setembro de 2013, o antigo gestor decidiu doar cinco mil euros a cada uma de cinco instituições da cidade de Lagos o dinheiro que recebeu do Estado, tendo as verbas sido transferidas nos últimos dias.

A presidente do Núcleo Especializado para o Cidadão Incluso (NECI), Eduarda Santos, confirmou à Lusa que a doação dos cinco mil euros foi «debitada este mês na conta» da instituição e referiu que vai servir para a compra de uma carrinha adaptada para transportar as várias dezenas de utentes para as terapias.

O NECI nasceu há 23 anos em Lagos, mas anteriormente chamava-se Núcleo De Educação Da Criança Inadaptada.

O Centro de Assistência Social Lucinda Anino dos Santos, que existe há 83 anos em Lagos e tem várias valências, incluindo cinco infantários, também já recebeu a doação, confirmou fonte da secretaria.

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos (AHBVL), a Santa Casa da Misericórdia de Lagos e a delegação de Lagos da Cruz Vermelha Portuguesa foram as restantes instituições escolhidas por Carlos Albuquerque.

Carlos Albuquerque explicou que escolheu estas cinco instituições porque acredita desde há muito «nas pessoas, nas ações, nos princípios e no trabalho desenvolvido».

A Futurlagos tem como objeto social o desenvolvimento, implementação, construção, gestão e exploração de áreas de desenvolvimento urbano prioritárias e a requalificação urbana e ambiental em Lagos.