O site Hotels.com, especializado na marcação de estadias em hotéis, realizou um inquérito online com cinco mil utilizadores, e concluiu que os turistas que mais roubam em hotéis são os argentinos, escreve o jornal britânico Daily Mail.

Apesar do primeiro lugar ser ocupado por um país sul-americano, no top 5 encontramos três países europeus. Depois dos argentinos aparecem os singapurenses, os espanhóis, os alemães e os irlandeses.

Dos argentinos que responderam às questões, 73% admitiu gostar de levar para casa recordações especiais dos hotéis onde pernoitavam. Segundo o Daily Mail os turistas que menos lembranças levam no final das férias são os colombianos (apenas 31%).

O estudo inclui viajantes de 28 nacionalidades. Veja aqui o top 10 dos turistas que confessam roubar:
  • 1 - Argentina
  • 2 - Singapura
  • 3 - Espanha
  • 4 - Alemanha
  • 5 - Irlanda
  • 6 - Rússia
  • 7 - México
  • 8 - Itália
  • 9 - Japão
  • 10 - Estados Unidos

O Reino Unido não está entre os dez primeiros, mas segundo a mesma fonte está no 16º posto da lista. 46% admite que já levou bens que não eram seus.

Além dos colombianos, entre os mais honestos estão os turistas oriundos da Noruega, da Coreia do Sul, de Hong Kong e da Dinamarca.

Os bens em causa não se referem aos produtos de higiene, habituais nas casas de banho dos hotéis. Podem ser toalhas, chinelos, canetas, entre outras coisas.

O inquérito realizado entre Março e Abril revela ainda os itens preferidos dos turistas. 52% não resistiu a levar para casa os chinelos, 35% levou artigo de papelaria (canetas, papel) e 12% levou revistas e livros. Mas há também quem leve bebidas, molduras, cortinas e arte.

Outro inquérito também revelado recentemente, realizado pelo site Travel24.com e focado apenas nos turistas alemães revelou o tipo de artigos mais roubados nos hotéis.

Os artigos de higiene lideram com 69%. Logo depois surgem os artigos de papelaria com 34%.
Depois as toalhas com 28% e ainda os chinelos com 16%.

Mas a lista inclui também abre-garrafas, cinzeiros, televisões e mobília.

O mesmo inquérito revela ainda que os alvos preferidos são as unidades hoteleiras de 4 estrelas, na ordem dos 47%. Os hotéis de três estrelas surgem com 37% e os de cinco estrelas com 9%.

Um dos dados mais surpreendentes é o nível educacional dos "ladrões": 53% tem o Ensino Superior.