O Tribunal de Matosinhos absolveu esta quarta-feira os sete suspeitos de esconder três toneladas de cocaína num contentor de polvo estragado, apreendido em 2007 no Porto de Leixões.

Segundo o coletivo de juízes, não há provas de que os arguidos tenham cometido o crime.

Os suspeitos estavam acusados de pertencer a uma rede de tráfico de droga sediada no México que transportou, através da criação de uma empresa de importação de pescado, um contentor de 23 toneladas de polvo podre onde estavam dissimuladas três toneladas de cocaína.

Devido a uma inspeção da Direção-Geral de Veterinária, que constatou várias anomalias, desde mau cheiro, cor anormal do polvo ou falta de etiquetas nas caixas, a carga foi apreendida no Porto de Leixões e descoberto o presumível esquema.

O alegado líder desta rede de tráfico em Portugal, à data com 44 anos, nunca mais foi visto, estando desaparecido desde então, sendo, por isso, o seu caso remetido para processo autónomo.