O Tribunal de Aveiro condenou esta quarta-feira a três anos e meio de prisão, com pena suspensa, um homem suspeito de ter abusado da filha de oito anos.

Durante a leitura do acórdão, o juiz presidente disse que ficou provado o "essencial" da acusação.

O arguido, de 43 anos, estava acusado por três crimes de abuso sexual de criança agravado, mas foi condenado apenas por um crime de abuso sexual de criança agravado, em trato sucessivo.

O tribunal deu como provado que o arguido manteve contactos físicos de natureza sexual com a menor, entre fevereiro de 2013 e abril de 2014, sem quantificar o número de atos que ocorreram.

Na leitura do acórdão, o juiz Raul Cordeiro disse que durante o julgamento, que decorreu à porta fechada, o arguido negou a prática dos crimes, assumindo apenas que dormiu com a filha no mesmo quarto, durante aquele período.

O homem, agricultor, foi condenado a uma pena de três anos e meio de prisão, suspensa por igual período, sujeita a regime de prova.

Além da pena de prisão, o arguido terá ainda de depositar três mil euros numa conta bancária da filha, no prazo de um ano.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os abusos ocorreram na casa da avó paterna, na freguesia de Cacia, em Aveiro, onde a menor residia com os pais.

Os abusos terão começado quando a mãe da menor foi internada no Hospital de Aveiro para dar à luz um menino e prolongaram-se até 08 de abril de 2014, altura em que a menor saiu de casa.

Poucos dias depois, a Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro deteve o suspeito, que ficou proibido de contactar a vítima e de se aproximar da residência da menor e da escola onde a mesma estudava.