O auxiliar de educação, detido em Ponta Delgada, nos Açores, pela alegada prática de 60 crimes de abuso sexual de menores ficou hoje em prisão preventiva, disse à Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

Segundo a mesma fonte, o homem, de 28 anos, foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa.

De acordo com a PJ, o arguido foi detido na noite de quarta-feira, após ter sido abordado na zona onde morava e é suspeito da prática de 60 crimes de abuso sexual de crianças que vitimaram menores com idades dos 8 aos 12 anos de idade e a denúncia terá partido dos pais de uma das alegadas vítimas.

Um comunicado divulgado na quinta-feira pelo Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada da PJ informava que o arguido foi detido “pela presumível prática de mais de 60 crimes de abuso sexual de criança e de coação sexual agravada, de que foram vítimas cinco meninos com as de idades de 8, 9, 10 e 12 anos de idade”.

“Os abusos foram cometidos regularmente desde há cerca de cinco meses, no concelho de Ponta Delgada, quase todos em espaço escolar, local onde o suspeito exercia as funções de auxiliar de educação”, referiu a PJ, acrescentando que o homem aproveitou-se “das suas funções profissionais, com proximidade e acesso fácil às crianças, para as aliciar a práticas de natureza sexual a troco de verbas em dinheiro”.