"E isso é uma deficiência que, infelizmente, também temos noutras partes do país, mas aqui, na Guarda, era preciso realmente melhorar essa formação", afirmou.


"Porque, quem dá apoio a um magistrado do MP está a investigar, além de ser um bom funcionário, tem de ter algumas noções do que é a investigação criminal e tem de ter alguma permanência também no lugar, por forma a que possa haver um diálogo com o magistrado e possa haver uma formação nessa área", justificou.