O Tribunal de Aveiro condenou esta quarta-feira a quatro anos de prisão, com pena suspensa, um dos dois suspeitos de terem roubado sob ameaça de arma de fogo uma prostituta, numa mata em Albergaria-a-Velha, absolvendo o outro arguido.

O coletivo de juízes deu como provados os crimes de roubo agravado e detenção de arma proibida imputados a um dos suspeitos.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de quatro anos de prisão, suspensa por igual período, sem regime de prova.

A favor do arguido pesou o facto de não ter antecedentes criminais e a sua boa integração social e profissional, além de os valores subtraídos não serem "relevantes".

Quanto ao outro arguido foi absolvido por falta de provas.

"O senhor foi absolvido não necessariamente porque se prove que nada fez, mas porque não se provou que fez", explicou o juiz presidente.

Os factos ocorreram em 2013 numa zona de pinhal na variante do Sobreiro, em Albergaria-A-Velha, e tiveram como vítima uma cidadã romena.

Segundo a acusação do Ministério Público, a vítima foi atraída ao local do assalto por um dos suspeitos, sob falso pretexto, e foi manietada com a ajuda do cúmplice.

Os suspeitos ameaçaram a mulher com uma arma de fogo e uma catana, tendo-lhe sido subtraídos todos os bens e valores que trazia consigo, nomeadamente dois telemóveis e dinheiro.

Nas buscas domiciliárias foram apreendidas uma caçadeira de canos serrados, munições e uma réplica de arma de fogo.