O tribunal condenou um ex-presidente de uma junta de freguesia de Lisboa a cinco anos e seis meses de prisão e 1.800 euros de multa por peculato, falsificação de documento, prevaricação e abuso de poder.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa adianta que, além do ex-presidente da junta, foi também condenado o tesoureiro, a uma pena suspensa de um ano e quatro meses e uma multa de 300 euros, com a condição de pagar à junta de freguesia onde exerceu funções o montante que lhe foi indevidamente pago.

O acórdão condenatório dos dois arguidos data do dia 05 e foi proferido pelo Juízo Central Criminal de Lisboa.

O tribunal deu como provado que os dois arguidos, durante o mandato autárquico, um como presidente de junta de freguesia e outro como tesoureiro, cometeram vários crimes económicos como pecultato e falsificação de documentos.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação penal (DIAP) de Lisboa, coadjuvado pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC).