O presidente da Junta da Correlhã, Ponte de Lima, queixou-se no Ministério Público contra uma família da freguesia que alegadamente o agrediu verbal e fisicamente, obrigando-o mesmo a ser suturado com cinco pontos num sobrolho.

O autarca, João Oliveira, disse à Lusa que as agressões terão sido perpetradas no sábado, quando ele se dirigiu à residência daquela família, na sequência de uma queixa de outros populares sobre uma plantação de japoneiras num caminho público.

«Tivemos uma queixa na junta dando conta de que aquela família teria plantado quatro ou cinco japoneiras num caminho público. Como nos competia, eu e tesoureiro fomos lá ver o que se estava a passar, e fomos imediatamente recebidos com insultos do piorio», referiu João Oliveira.

«Entretanto, um filho dos donos da casa decidiu passar das palavras aos actos, encostou o peito ao meu e, talvez irritado por eu não reagir, deu-me uma valente cabeçada, abrindo-me o sobrolho. Fui ao hospital e levei cinco pontos», acrescentou.

Segundo João Oliveira, o caminho em questão é estreito e tem sentido único, tendo as japoneiras sido plantadas na berma, «o que torna a circulação ainda mais complicada».

«Mas independentemente disso, o facto de ser um caminho público, por si só, já inviabiliza qualquer plantação por parte de particulares, já que a sua gestão compete, apenas e só, à Junta de Freguesia», disse ainda o autarca.

João Oliveira já apresentou queixa no Ministério Público por agressões físicas e verbais.

«Vamos ver se, desta vez, o tribunal põe na linha esta gente, que é useira e vezeira neste tipo de situações, tendo já mesmo agredido um GNR», rematou.