O Tribunal da Relação de Coimbra (TRC) ordenou a repetição do julgamento de um ex-segurança que foi absolvido da tentativa de homicídio de um jovem, de 21 anos, durante uma rixa num local de diversão noturna em Aveiro.

O acórdão do TRC, a que a Lusa teve hoje acesso, determina que o processo deve ser reenviado para novo julgamento, para que seja feita uma «reconstituição dos factos», com tomada de declarações no local onde o crime ocorreu.

Os juízes desembargadores entendem que esta nova diligência "poderá dissipar a dúvida razoável" a que chegou o tribunal de primeira instância.

No passado mês de fevereiro, o Tribunal de Aveiro absolveu o ex-segurança dos crimes de homicídio na forma tentada e detenção de arma proibida, apesar de um voto de vencido de uma das juízas do coletivo, que entendia que o arguido devia ter sido condenado pelos dois crimes.

A procuradora do Ministério Público (MP) não se conformou com a absolvição e recorreu para o TRC, que devolveu o processo ao Tribunal de Aveiro, mandando repetir o julgamento na íntegra.

Os factos ocorreram na madrugada de 28 de setembro de 2012, quando o jovem, primo do futebolista Yannick Djaló, foi atingido numa coxa por uma bala de uma pistola, durante uma rixa na praça do Peixe, o centro da animação noturna de Aveiro.

Durante a leitura do acórdão, a juíza presidente disse que o assistente foi atingido por arma de fogo "em circunstâncias não concretamente apuradas", tendo o coletivo de juízes ficado com «sérias dúvidas» quanto ao autor dos disparos.

Segundo a acusação do MP, o arguido agiu de forma intencional com o objetivo de tirar a vida ao ofendido, devido a motivos passionais, tendo colocado em perigo a vida de outras pessoas que frequentavam aquela zona, à mesma hora.

A vítima reclamava uma indemnização de dois mil euros e, já durante o julgamento, aumentou o pedido para 12 mil euros, mas o coletivo de juízes não aceitou esta alteração.