Um homem de 62 anos e uma jovem de 20 anos começam hoje a ser julgados nas Varas de Competência Mista do Funchal pelo crime de violação de uma menor, irmã da arguida.

No despacho de pronúncia, ao qual a agência Lusa teve acesso, a juíza de instrução, que deu como reproduzido o despacho de acusação, imputa ao arguido a prática de um crime de violação e dois crimes de recurso à prostituição de menores.

Também de um crime de violação, como cúmplice, está acusada a arguida, que responde, ainda, por um crime de lenocínio de menores.

Segundo a decisão instrutória, o homem, reformado, conheceu a arguida em 2009, ainda esta era menor de idade, na rede social «Hi5» e, «na sequência das conversas que mantiveram via Internet», combinaram «manter relações sexuais» a troco de dinheiro.

Num dos encontros, os arguidos acordaram que a jovem «aliciaria a sua irmã», agora com 18 anos, para manter relações sexuais com aquele.

Na sequência desta situação, os três deslocaram-se a um apartamento na cidade do Funchal, onde a arguida, perante a recusa da irmã, «levou-a para o quarto e trancou-a lá dentro com o arguido, impedindo-a, assim, de fugir».

Neste local terá ocorrido a violação, depois da qual o arguido entregou 100 euros à irmã da vítima.

«Os arguidos agiram de forma livre, voluntária e consciente, com a intenção conseguida de satisfazer os seus instintos libidinosos e de obter compensações financeiras», lê-se no despacho.

O julgamento está previsto começar às 14:00.