A EB/S de Vieira do Minho «livrou-se», nas férias do natal, de 300 metros quadrados de coberturas com amianto, mas ainda subsistem cerca de 4000 metros sem data marcada para serem removidos, disse esta segunda-feira o diretor da escola.

Em declarações à Lusa, Rui Silva acrescentou que a remoção de 300 metros quadrados nas férias do natal incidiu em algumas coberturas das zonas de passagens entre blocos e orçou em 17 mil euros.

«Mais de metade das coberturas dessas passagens ainda ficou com as placas de fibrocimento, assim como as coberturas de todos os blocos. No total, faltará remover uma área de 4000 metros quadrados», referiu.

Esta segunda-feira, em comunicado, a Juventude Socialista (JS) de Vieira do Minho exigiu hoje a retirada das chapas de fibrocimento daquela escola, para acabar com «um problema grave» para a saúde daquela comunidade escolar.

O diretor da escola admitiu que ainda não sabe quando é que aquela intervenção decorrerá.

Lembrou que a escola estava incluída na fase 4 da empresa pública Parque Escolar, para ser alvo de uma requalificação «integral», o que resolveria «de vez» o problema do amianto.

No entanto, as obras da Parque Escolar seriam suspensas pelo atual Governo.

«Já que não temos uma escola renovada, à altura dos jovens da cidade de Braga ou da capital, será que os nossos jovens poderiam ter uma escola saudável?», questionam os «jotas» socialistas.