O Tribunal de Alijó decretou esta a prisão preventiva para o suspeito de atingir a tiro duas mulheres no Pinhão, matando uma e ferindo gravemente a outra, disse à agência Lusa fonte policial.

Cerca de 200 pessoas juntaram-se esta tarde em frente ao Tribunal de Alijó para verem o homem suspeito de atirar contra duas primas entrar no edifício. O suspeito entrou no Palácio da Justiça de cara destapada e à sua passagem foram muitos os que gritaram «assassino».

Depois de ouvido em primeiro interrogatório, o tribunal aplicou-lhe a medida de coação mais grave, a prisão preventiva.

O indivíduo está indiciado por três crimes, um homicídio consumado, uma tentativa de homicídio e posse ilegal de armas.

O homem, natural de Baião, entrou na quarta-feira de manhã numa pastelaria do centro do Pinhão e disparou contra as duas primas, de 21 e 22 anos, acabando a mais velha por morrer no local.

A mais nova, e com quem o suspeito teria uma relação, foi transportada para o Hospital de Vila Real, de onde foi transferida para o hospital de Santo António, no Porto.

A jovem foi atingida com duas balas, uma na cabeça e outra na zona da cervical, e deu entrada no hospital de Santo António em coma profundo, encontrando-se internada na unidade de cuidados intensivos com um prognóstico muito reservado.

Após os disparos, o suspeito pôs-se em fuga e entregou-se uma hora e meia mais tarde na esquadra da PSP de Vila Real, tendo sido posteriormente detido pela Policia Judiciária (PJ), responsável pela investigação do caso.