Governo cria passe escolar a metade do preço

Sócrates anunciou apoio para todas as crianças e jovens, dos 4 aos 18 anos; e o alargamento da acção social escolar de 185 mil para 400 mil estudantes

Por:    |   10 de Julho de 2008 às 16:24
«Não é apenas na habitação que devemos e queremos apoiar as famílias, por causa dos novos encargos com que elas hoje se confrontam», anunciou o primeiro-ministro, no debate do Estado da Nação, esta quinta-feira no Parlamento.

«O terceiro choque petrolífero, que vivemos, tem óbvias implicações no custo dos transportes. O preço do petróleo não depende de Portugal. Mas Portugal deve e está a responder, com investimento nas energias renováveis (...) e com o incentivo à utilização dos transportes colectivos». Depois de ter já decidido «o congelamento do preço de todos os tipos de passes e assinaturas», José Sócrates anunciou esta quinta-feira a criação de «um novo passe para os transportes públicos urbanos: o passe escolar».

Segundo explicou o primeiro-ministro «o passe escolar destina-se a todas as crianças e jovens, dos 4 aos 18 anos, e garante a redução para metade do valor mensal da assinatura de cada tipo de transportes».

O passe L1,2,3, na área de Lisboa passará a custar metade de 52,5 euros; o passe «andante», no Porto, que já beneficia hoje de uma redução de 25 por cento para estudantes, custando-lhes 17,6 euros, passará a custar 12,45.

Assim, «um único documento permitirá agora a todas as crianças e jovens beneficiar de redução de 50 por cento no uso regular de qualquer transporte urbano».

Ainda a pensar «nas famílias», o primeiro-ministro anunciou o «alargamento da acção social escolar no ensino básico e secundário». Segundo afirmou José Sócrates, «a alteração decidida pelo Governo tem dois objectivos»: primeiro simplificar os critérios de atribuição do primeiro e segundo escalão do abono de família e alargar o número de alunos beneficiários da acção social escolar, de 185 mil para 400 mil estudantes, «com direito à totalidade dos apoios em refeições, manuais e material escolar».

Sócrates anuncia ainda alterações no IRS com benefício para 1 milhão de portugueses

O país não pode desistir, avisa primeiro-ministro

Mais de 480 mil famílias beneficiam do alargamento de isenção do IMI
PUB
EM BAIXO: Metro de Lisboa
Metro de Lisboa

COMENTÁRIOS

PUB
Grécia pode receber créditos de emergência para evitar "crise humanitária"

Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, admite conceder créditos de emergência ao país helénico como medida de transição. Schulz diz que Alexis Tsipras conduziu os gregos a um beco sem saída, mas que a população "não tem culpa disso". Na véspera da realização do referendo que pode ditar o futuro da Grécia, o clima de tensão mantém-se. O ministro das Finanças alemão admite que os gregos poderão estar a escolher entre o euro e o dracma. Já Yanis Varoufakis diz que o que a Europa está a fazer à Grécia é "terrorismo"