O líder histórico da Frente de Libertação dos Açores, José de Almeida, morreu esta quarta-feira, aos 79 anos, em Ponta Delgada, vítima de doença prolongada, disse à Lusa um dos seus filhos.

José de Almeida, o líder histórico dos independentistas açorianos, estava internado no hospital de Ponta Delgada há mais de uma semana e estava doente há vários meses, adiantou a mesma fonte.

Apesar de doente, José de Almeida manteve até ao final da sua vida o seu ativismo público em defesa da independência dos Açores. Na sua última intervenção pública, a 06 de junho passado, afirmou que «a luta pela independência vai continuar a ser um caminho».

«Apesar do que possam dizer, apesar do que possam pensar, estarmos aqui reunidos é uma manifestação de força. É uma manifestação de definição a dizer nós somos açorianos e queremos ser e vamos ser independentistas», sublinhou, numa sessão promovida pela FLA para assinalar mais um aniversário do 06 de junho de 1975, quando uma manifestação juntou 10 mil pessoas em Ponta Delgada, na sua maioria lavradores, que se batiam por várias revindicações e contra o regime de Lisboa.

A FLA sempre reivindicou este protesto do 06 de junho de 1976 como sendo de apoio à causa da independência dos Açores.

José de Almeida admitiu que a FLA se sentiu «traída» neste percurso.

«Nós tivemos traidores, gente que sabotou o raciocínio dos açorianos a caminho da independência», declarou, assegurando que «há gente que sabe o que quer e que sabe que o melhor para os Açores é a independência».