O Instituto Politécnico do Porto (IPP) revelou hoje que espera receber, «no fim de semana», oito estudantes universitários sírios que o antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, está a tentar trazer para Portugal.

Fonte do IPP disse à Lusa que são oito os alunos ¿ «seis rapazes e duas raparigas» - que aquela instituição vai acolher, em cursos do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) e Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE).

«O IPP está a preparar-se para receber os alunos já no próximo fim de semana. As condições estão todas preparadas, nomeadamente de alojamento. Os alunos vão ficar numa residência que o IPP possui e as alunas noutra. Neste fim de semana vão chegar oito, não sabemos se vai haver mais ou não», indicou a mesma fonte, referindo-se à colaboração com a Plataforma Global de Assistência Académica a Estudantes Sírios» criada por Jorge Sampaio.

A Universidade do Porto também aceitou colaborar com a Plataforma e, desde o início do ano letivo, aguarda a chegada dos dois alunos sírios que aceitou acolher na Faculdade de Engenharia, revelou à Lusa fonte da instituição.

«Ainda não há uma data certa para a chegada e crê-se que, para a Universidade do Porto, venham os dois estudantes de engenharia selecionados. Houve uma prévia comunicação e seleção dos estudantes que a Universidade estava disponível para receber. Estamos à espera deles desde o início do ano letivo», indicou fonte da reitoria.

A Universidade Católica do Porto confirmou hoje à Lusa que também vai receber estudantes sírios no âmbito desta iniciativa, mas não foi possível, em tempo útil, apurar de quantos se tratam e quais os cursos que vão frequentar.

Jorge Sampaio apresentou em julho a Plataforma Global para os Estudantes da Síria, revelando a criação de um fundo de emergência para atribuir um milhar de bolsas com a duração de um ano académico (2013/2014) a alunos que se tenham visto obrigados a interromper os seus estudos na sequência da guerra civil na Síria.

Na apresentação, foi anunciada a intenção de beneficiar um milhar de jovens sírios, entre 17 e 22 anos, com estatuto de refugiados ou que estejam em perigo real no país de origem.

Jorge Sampaio adiantou que deveriam chegar a Portugal, em setembro e outubro, entre 50 a 100 jovens nesta situação.

Na altura, o conflito iniciado em março de 2011 tinha causado pelo menos 93 mil mortos, de acordo com dados das Nações Unidas.

A edição de sábado do jornal Diário de Notícias revelava que «Portugal vai enviar um avião militar, previsivelmente esta semana, para resgatar 80 alunos universitários sírios», numa missão realizada «a pedido do ex-presidente da República Jorge Sampaio».

O projeto de Jorge Sampaio tem parceiros como a Liga Árabe, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados e o Instituto norte-americano para a Educação Internacional, e irá contar com um painel de personalidades que irão funcionar como embaixadores da iniciativa.