Na sua primeira visita de trabalho à prisão para ver o cliente José Sócrates, o advogado João Araújo entrou irritado, mas saiu bem-disposto, três horas depois, entrando em gracejos com os jornalistas.

Primeiro respondendo a todas as perguntas com «não sei», acabou por revelar que o recurso a pedir a libertação do ex-primeiro-ministro será entregue, naturalmente, «quando estiver pronto», mas «sim», durante a próxima semana.

Recusou-se a estabelecer prazos para tirar o seu cliente da prisão. «Quando ele for libertado, eu digo-lhe», garantiu, dizendo que não «enquanto advogado» não tem «expectativas».

Sobre se José Sócrates poderá passar o Natal em casa, João Araújo preferiu citar um dito popular: «Chuva em novembro e natal em dezembro, por isso fique-se com essa», disse ao jornalista.

Falando sempre no seu tom caraterístico, quando lhe perguntaram se José Sócrates tem recebido cartas, respondeu: «Eu não violo a correspondência de ninguém». Disse, ainda, que «para ser inteiramente franco» pensa que o seu cliente não tem lido jornais.

Já quanto à televisão, tem apenas acesso a quatro canais, lembraram os jornalistas: «Se só vê quatro canais é um homem feliz».