Foi morto o primeiro jihadista português que integrava as fileiras do Estado Islâmico na Síria. Sandro «Funa», de 36 anos, não terá resistido aos ferimentos sofridos após um ataque aéreo no final de outubro.

A notícia foi avançada pelo jornal «Público», que cita os serviços de segurança, que afirmam que o jovem terá morrido nove meses após ter cruzado a fronteira da Turquia para entrar na Síria, e que a família já foi informada do sucedido.

O «Público» identifica Sandro como português, de origem cabo-verdiana, que terá vivido nos arredores de Lisboa, antes de ter partido para Londres, em 2007, onde se converteu ao Islão. Numa das mesquitas da cidade foi-se radicalizando, e no início deste ano acabou por partir para a Síria para combater.

Na Síria estarão outros portugueses: « Fábio», «Celso», «Edgar» e Patrício, este último apontado como um «ideólogo da organização terrorista».

Segundo disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, numa entrevista à Renascença em outubro, serão 12 a 15 os portugueses que integram as fileiras do Estado Islâmico na Síria, sendo que dois a três, principalmente raparigas, estão arrependidas de ter partido e querem regressar.