ponto de passagem

«Naturalmente, longe de qualquer alarmismo, Portugal está enquadrado no puzzle da própria jihad, não sendo alvo preferencial, mas acima de tudo como ponto de recuo e passagem, o que acaba por ser uma forma de podermos consciencializarmo-nos».






«Por uma questão de proporcionalidade, as comunidades muçulmanas francesas, britânicas, alemãs ou holandesas são muito mais dilatadas que a portuguesa. A nossa é muito reduzida, estando perfeitamente inserida na sociedade».




vários inquéritos para investigar factos relacionados com o denominado Estado Islâmico

a TVI apurou