Os jovens agricultores vão ter um apoio adicional ao início de actividade durante cinco anos, uma forma de atrair novos profissionais para o sector, afirmou esta quinta-feira o ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas.

Jaime Silva, que falava no encerramento do congresso «Estratégias para as Novas Agriculturas», em Lisboa, disse que «para atrair jovens com formação para o sector serão dadas ajudas durante cinco anos, um acréscimo ao rendimento para poderem instalar-se».

As ajudas aos agricultores são definidas com base no histórico da produção, o que no caso dos jovens em início de actividade não existe e se torna uma desvantagem competitiva, explicou o ministro.

Em declarações à Lusa, Jaime Silva avançou que o apoio será de 260 euros por hectare e por ano, um montante que se junta à ajuda de instalação de cerca de 40 mil euros.

Durante o seu discurso no congresso, o ministro falou num conjunto de medidas de apoio aos agricultores, como uma nova linha de crédito de 175 milhões de euros, a aguardar publicação em Diário da República, ou o subsídio a fundo perdido de 15 milhões de euros para a aquisição de equipamentos visando a eficiência energética.

O ministro referiu ainda que vai ser aprovado um novo programa para sectores que podem ser afectados pela crise, como o leiteiro, com o objectivo de ajudar à competitividade das explorações. Este programa oferece uma majoração no investimento realizado pelos agricultores e está em discussão pelo sector da produção de leite.

Este sector, que tem actualmente um sistema de quotas a nível europeu, «deve preparar-se para a liberalização que vai decorrer em 2013, investindo na competitividade», acrescentou.